domingo, 13 de dezembro de 2009

Um ponto ganho para o pior Benfica

Ponto prévio: o Benfica que se apresentou em Olhão foi o pior deste campeonato. À primeira vista, defrontar o último classificado, equipa que conta somente com uma vitória, a partida com o Olhanense não deveria trazer dificuldades de maior ao Benfica. Seria legítimo que assim se pensasse? Sim, pelos argumentos já referidos. Porém, o caso dos algarvios é estranho: os jogadores têm qualidade, a equipa pratica bom futebol e demonstra uma atitude que nada se coaduna com a condição que ocupa. Tem-lhe faltado maior traquejo para ser mais eficaz, mas nunca poderia ser um passeio para o Benfica. Jorge Jesus avisara. Os seus jogadores, porém, não interpretaram a mensagem. O empate acaba, por isso, por ser um mal menor... vindo já depois dos noventa, quando poucos acreditariam que a vitória fugira ao Olhanense.

Jorge Jesus deixou Pablo Aimar de fora. Sem o mago argentino, este Benfica perde a capacidade de construir jogo ofensivo. Um dos principais factores para explicar a exibição dos encarnados pode passar por aí. A equipa não entrou bem. Foi uma partida em falso. E a perder: livre de Rui Duarte, desvio de César Peixoto aproveitado para o golo de Carlos Fernandes. Sofrer cedo é algo a que o Benfica não está habituado. Era necessário reagir, partir o quanto antes para o cerco à baliza de Ventura. Contudo, faltavam as ideias, faltava ligação e ganhava forma o número de passes errados. O Olhanense teve a primeira contrariedade aos vinte e seis minutos, com a expulsão de Djalmir. Dois minutos depois, veio a segunda, mais grave: o empate por Saviola.

Em vantagem numérica e de regresso ao ponto inicial, o Benfica teve uma oportunidade para assumir o jogo e modificar o que havia demonstrado até então. Era o que se esperava, aconteceu o contrário. Cinco minutos após o empate, novo livre de Rui Duarte, falha na defesa encarnada, desvio de Toy para a baliza de Quim. Eficácia quase total nos algarvios. O jogo entrara, entretanto, numa fase quezilenta, com inúmeras paragens e pouco espectáculo. Teve grande intensidade, disputa nos limites, mas pouco valor técnico. Aos encarnados pouca coisa corria bem: Di María foi expulso - ficou tudo igual, de novo - e Ramires lesionou-se. O relógio continuava o seu ritmo, o Olhanense estava sólido e coeso, o Benfica sem soluções para marcar. Nuno Gomes foi a última aposta, precisou de pouco tempo para ser decisivo. Do mal o menos!

1 Comentário:

Jornal Só Desporto disse...

Este Benfica já vimos com Quique Flores mau demais para ser verdade.

FUTEBOLÊS © 2008 Template by Dicas Blogger.

TOPO