quarta-feira, 21 de julho de 2010

97º Tour de France: O ar de graça de Lance Armstrong

Intimidatório, mítico, brutal. O nome de Lance Armstrong tem um impacto gigantesco no ciclismo mundial. As sete vezes consecutivas em que triunfou no Tour de France, tornando rotineira a vitória na maior prova do pelotão internacional após ter superado um cancro na próstata, deixaram-no imortalizado. E saiu pela porta grande em 2005. Aos trinta e sete anos, com três de interregno, decidiu regressar: entrou na Astana, a equipa do seu líder Johan Bruyneel, para provar que ainda estaria em condições de deixar o seu nome marcado. Não o precisava e correu riscos ao fazê-lo, sim, mas a ambição foi maior. Só que o ciclismo mudara. Armstrong ficara para trás. O presente indicava Alberto Contador, Andy e Frank Schleck, Bradley Wiggins. Inserido numa equipa sem paralelo, dominadora a todos os níveis apesar do mau ambiente que se gerou pela existência de mais do que um líder, Lance Armstrong mostrou-se bem.

O honroso terceiro lugar que conquistou no Tour de France 2009 abriu o apetite para a nova edição da Grande Boucle. Lance Armstrong estivera em bom nível, mesmo não tendo, nem podendo ter, o fulgor de outrora. Numa equipa apenas mentalizada em trabalhar para ele, sem Alberto Contador pelo meio, o norte-americano poderia ambicionar melhorar a anterior classificação e, até, alcançar a sua oitava vitória. O objectivo da Radioshack, equipa que formou com Johan Bruyneel e que recrutou na Astana a sua composição para a nonagésima sétima edição do Tour, foi sempre proporcionar as melhores condições para que Lance Armstrong estivesse na corrida, pelo menos, a um lugar no pódio. A verdade, contudo, é que o ciclista texano, heptavencedor da competição, ficou demasiado cedo fora das contas da classificação geral. Perdeu tempo no pavé e viveu um inferno no primeiro teste nos Alpes.

É incontornável: Lance Armstrong está bem diferente do ciclista que pulverizou a concorrência e venceu com toda a naturalidade durante sete anos. Os trinta e oito anos pesam, os rivais estão melhores, Lance ressente-se. No entanto, também há imenso infortúnio. Nas edições em que triunfou, embora com algumas quedas pelo meio, nunca Lance Armstrong havia sentido na pele tanto azar como agora. Atacou-o forte na primeira semana e logo o retirou das contas da geral: na quarta etapa, quando seguia à frente de Alberto Contador, viu um furo na roda dianteira deixá-lo para trás, enquanto nos Alpes caiu por duas vezes, ficando a quase doze minutos do vencedor da etapa. Aí, nessa nefasta oitava etapa, Armstrong enrolou a bandeira, rendeu-se. Mas não desistiu, quis manter-se em prova, desfrutar da sua última presença no Tour de France e ambicionar vencer etapa. O líder da Radioshack, para a geral, passou a ser Levi Leipheimer.

Aos adeptos de ciclismo, causa estranheza ver Lance Armstrong chegar com um atraso de largos minutos para o vencedor da etapa, num ritmo baixo, conversando e sorrindo. Derrotado, a anos-luz da camisola amarela, Armstrong deixou de se preocupar com o tempo que tem de atraso: colocar Leipheimer na melhor classificação possível é a meta a alcançar também por ele. Os tais riscos que Lance Armstrong corria quando regressou, sobretudo o de poder não estar à altura da elevada exigência que ele próprio estabeleceu, está a verificar-se neste segundo ano, quando se esperaria que superasse o que conseguira em 2009 e fosse, com Contador, um dos grandes candidatos à vitória final. Ver Armstrong não ganhar e não se preocupar muito com isso, apenas correndo por gosto, é algo que os adeptos de ciclismo nunca esperariam. Até depois da belíssima prestação alcançada no ano em que quebrou a inactividade.

Lance Armstrong perdeu, após a primeira etapa realmente dura nos Alpes, todas as possibilidades de sonhar com a sua oitava vitória ou a nona presença no pódio final. No fundo, contudo, continuava a alimentar a vontade de vencer uma etapa, deixar a sua marca na despedida e esquecer, por momentos, todos os minutos que o fazem estar longe das decisões. Tentou-o nos Pirinéus. Na décima sexta etapa, percebendo que Alberto Contador e Andy Schleck não deixariam a marcação cerrada e a vigia permanente um ao outro, Lance procurou a sua sorte. Entrou numa fuga nos primeiros quilómetros, juntamente com mais oito corredores, pedalou forte, trabalhou muito e fez de tudo para chegar ao final em condições de vencer. No sprint, saiu de trás, após se ter poupado, em direcção à meta. Pierrick Fédrigo (BBox-Bouygues Telecom), mais jovem e possante, superou. E Armstrong, sem hipóteses de triunfar, logo abdicou.

Vencer a etapa rainha dos Pirinéus seria uma consolação para um ciclista ímpar. Lance Armstrong procurou consegui-lo. Fez o que estava ao seu alcance, mas não foi além do sexto lugar. A fuga resultou na perfeição e teve condições de discutir a vitória. Não o conseguiu: porque lhe faltou a velocidade de outros tempos e porque Fédrigo - terceira vitória consecutiva de ciclistas gauleses e segunda, após o triunfo de Thomas Voeckler na véspera, para a equipa francesa BBox-Bouygues Telecom - foi realmente forte na chegada. Apesar de não subido ao pódio, Lance Armstrong, com a veterania dos seus trinta e oito anos, deixou uma imagem positiva, de um campeão ainda à procura de um final feliz, apostando todas as fichas numa tirada dura e de alta montanha. Mostrou estar vivo. Mesmo isso nada mudando na classificação geral, onde é vigésimo quinto e tem um atraso de trinta e três minutos para Alberto Contador.

Seja o primeiro a comentar

FUTEBOLÊS © 2008 Template by Dicas Blogger.

TOPO