sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Guardar as redes

A baliza é um misto de sensações. Pode trazer uma alegria imensa ou uma profunda desilusão. Um avançado pode lá viver momentos de sonho ou de pesadelo, todos sabemos. Mas a relação entre a baliza e o guarda-redes é diferente, é intimista. Ali, entre os postes, não pode haver qualquer erro. Será fatal se acontecer. Por mais pequeno que seja tem o poder de destruir a imagem de qualquer um. E as defesas que foram feitas esfumar-se-ão como se nem tivessem sequer existido. Por isso, o que se pede a qualquer um que vá para a baliza é simples: não pode deixar a bola entrar. Que guarde bem as redes que defende.

Guarda-redes: o próprio nome da posição diz tudo, é aquele que tem que guardar as redes. Não sei muito bem porquê mas desde cedo me tornei um admirador deles. Admirava-lhes a coragem, o sangue frio e a concentração que tinham que manter, muito mais do que qualquer um dos seus companheiros. Tornam-se heróis ou vilões num instante, passam de bestiais a bestas num abrir e fechar de olhos. O momento da marcação de um penalty é talvez o mais angustiante na vida de um guarda-redes. Assim como é para o jogador que o vai tentar marcar, é certo. Não, é ainda pior: está entre os postes, naquela imensidão de espaço, com a bola a onze metros. A diferença entre um sentimento heróico e outro de total impotência é pequena: a defesa ou o golo.

Num passado mais recente, houve Oliver Kahn, Peter Schmeichel ou David Seaman. Cada um à sua maneira, com o seu estilo, com as suas manias. Foi uma defesa deste último, um inglês com um visual algo estranho embora sem a mesma excentricidade de um Higuita, que me ficou marcada na memória. Aconteceu há já seis anos, num Arsenal-Sheffield United para a Taça de Inglaterra. Foi um lance às três tabelas: canto, cabeceamento para a entrada da pequena área, toque acrobático, novo cabeceamento mesmo em cima da linha de baliza. O golo era evidente, a bola ia entrar. Não! Apareceu David Seaman, contrariando todas as leis da Física ao vencer a inércia, numa estirada espantosa. Os adeptos levaram as mãos à cabeça perante tal defesa, boquiabertos. My god!, o que foi aquilo?

Houve certamente defesas como as de David Seaman, se calhar até melhores. Para mim, aquela foi a melhor que vi. Fiquei espantado, quis voltar a ver, não me cansei. É nestes momentos que um guarda-redes vive a sua glória, com estas defesas impossíveis, tal como acontece a um avançado quando marca um daqueles golos de antologia. É isso que se deve recordar. Erros existirão sempre, os frangos são uma constante. Essa sensação atroz, cruel e injusta todos experimentam, por mais categoria que possuam. Agora, defesas como a de Seaman só os predestinados têm direito.

7 Comentários:

Joseph Lemos disse...

Engraçado... o Proudhome que passou por cá e foi considerado melhor do mundo nem sequer é mencionado.
Eu sei porquê mas não digo.Prefiro gozar com a raivazinha interior desta gente que querem "crescer" tentando atirar areia aos olhos de cada um.

Ricardo Costa disse...

Joseph Lemos,

É pena que haja adeptos que continuam a achar que tudo aquilo que é escrito ou dito tem motivos clubísticos.

No entanto, se reparar bem este é um texto opinativo onde se realça um lance específico - a tal defesa de David Seaman frente ao Sunderland. São referidos, além desse, mais dois nomes que marcaram uma geração de guarda-redes que estiveram no topo mundial.

Michel Preud'homme foi, sem dúvida, um guarda-redes excepcional mas como compreenderá não poderiam ser todos citados aqui. Haveria ainda espaço para um Józef: Mlynarczyk.

Anónimo disse...

Bom artigo !!!

Falando sobre ele - a melhor defesa que vi até hoje foi a do Gordon Banks no mundial de 70, a cebeceamento de Pelé : momumental !!!

André

Joseph Lemos disse...

Claro Ricardo...compreendo até a cor do texto.
Depois não há motivos clubísticos. Mas tudo bem,Proudhome foi ele mesmo, só o melhor do mundo na sua época.Um título que nem todos alcançam incluindo...nem vale a pena.

Jornal Só Desporto disse...

Bom Artigo Ricardo Parabéns

Ricardo Costa disse...

Joseph Lemos,

Claro que Preud'homme foi um guarda-redes sensacional e, talvez, o melhor estrangeiro que passou por Portugal. No entanto, não vejo em que medida a sua não citação num texto opinativo possa ter motivos clubísticos. Opinativo, friso.

Miguel Pereira disse...

O melhor guardiao estrangeiro a actuar em Portugal foi claramento o Schmeichel. O Preud´homme era um guardiao de primeirissimo nível mas que nunca foi provado a sério num grande ao contrário do que passou com o dinamarquês.

Portugal tem aliás, por si só, um historial de guarda-redes que em nada ficam a dever às escolas estrangeiras. De Miguel Siska a Costa Pereira, de Bento a Damas, de Silvino a Vitor Baía, sempre foi uma posiçao onde tivemos várias opçoes de qualidade. E até aí se vê o baixo nivel actual do nosso futebol quando as opçoes para a baliza da selecçao se resumem a Eduardo, Beto, Quim, Moreira, Ricardo, Daniel Fernandes ou Rui Patricio, que sem serem maus guardioes, nao estao ao nivel do nosso passado.

um abraço

FUTEBOLÊS © 2008 Template by Dicas Blogger.

TOPO