quinta-feira, 31 de julho de 2008

Apito Dourado: a fruta para Paixão

Apito Dourado. O processo que marca para sempre o futebol português. Decidi, então, remexer no caso, com base no livro do jornalista Eugénio Queirós, "Apito Dourado - Toda a história". Para, também eu perceber melhor isto tudo. Começo pelo "caso da fruta".

JOGO: FC Porto - Estrela da Amadora (2-0)

ÁRBITROS: Jacinto Paixão, Manuel Quadrado e José Chilrito

CASO: Pinto da Costa terá alegadamente oferecido prostitutas ao trio de arbitragem a fim de um resultado favorável ao FC Porto, usando o empresário António Araújo como intermediário.

ARGUIDOS: Pinto da Costa, Jacinto Paixão, Manuel Quadrado, José Chilrito, António Araújo e Reinaldo Teles.

INCIDÊNCIAS:

ANTES DO JOGO

  • A meio da viagem desde Évora (onde reside) Jacinto Paixão telefona a António Araújo. Segundo o Ministério Público com o intuito de pedir prostitutas.
  • No seguimento desta chamada, António Araújo telefona a Pinto da Costa - cerca das 13h – e informa o presidente do FC Porto que lhe pediram “fruta para dormir”. Pergunta se tem autorização para levar a tal “fruta” ao que Pinto da Costa responde que esta já foi enviada. Araújo explica que fala “do homem que vai estar consigo logo à noite”. Pinto da Costa manda seguir. Usam-se ainda as expressões “café” e “café com leite” que ao que o MP apurou se referem à cor da pele das prostitutas.
  • António Araújo liga a Cláudia, uma prostituta brasileira.
  • Até às 19.15h, hora do jogo, sucedem-se os telefonemas. Araújo fala com Paixão. Araújo telefona para Cláudia. Depois é Pinto da Costa quem telefona a António Araújo. Araújo volta a falar com Jacinto Paixão e por fim fala novamente com Cláudia.
  • Durante o jogo não existem mais telefonemas

DEPOIS DO JOGO

  • António Araújo encontra-se com Cláudia no bar “Gold”. Depois disso, Araújo acompanhado de um individuo não identificado, Cláudia e as três prostitutas (Celina, negra; Daniele, branca e Emanuele, mulata) vão para o Hotel Tivoli, no Porto.
  • A equipa de arbitragem janta na Marisqueira de Matosinhos. Pinto da Costa também lá está, mas noutra mesa. A PJ descobre um pagamento efectuado por PC na ordem dos 70€. O presidente do FC Porto utiliza este montante para referir ser impossível pagar o jantar dos árbitros.
  • António Araújo desloca-se com as suas acompanhantes para o Hotel Meridien onde estava instalada a equipa de arbitragem (cerca das 00.30h);
  • Araújo paga 150€ a cada prostituta e, impaciente, telefona três vezes a Jacinto Paixão;

REACÇÕES:

  • Na primeira vez que foi ouvido, Paixão confessou que foi guiado até ao hotel por Reinaldo Teles, que acusa de ter mentido. Além disso, disse nunca ter suspeitado que o jantar e as prostitutas fossem uma oferta do FC Porto, pensando sempre tratar-se de uma gentileza de Luís Lameira (também árbitro e amigo de Paixão). Mais tarde numa entrevista à TVI negou qualquer envolvimento com prostitutas e disse ter sido vítima de uma cilada e que Pinto da Costa e António Araújo deviam ser punidos. Contradições e mais contradições; Duas das prostitutas reconheceram dois dos três árbitros, no caso Jacinto Paixão e Manuel Quadrado.
  • Já Pinto da Costa disse haver uma dívida de 130 mil dólares do FC Porto a António Araújo e era sobre esse pagamento que tinham falado. Quanto à sigla “JP” (usada na conversa com Araújo) disse tratar-se de Joaquim Pinheiro, irmão de Reinaldo Teles e não do árbitro Jacinto Paixão. Segundo PC as prostitutas eram para o tal Joaquim Pinheiro e foi usado um discurso codificado pois receava que estivesse a ser escutado.
  • Carolina Salgado decidiu acusar Pinto da Costa dizendo ter presenciado um telefonema entre o presidente do FC Porto e o empresário António Araújo onde falaram de “fruta para dormir” (por volta das 13.00h). Sabe-se agora que o testemunho de Carolina Salgado é falso. Tudo porque a ex-companheira de Pinto da Costa telefonou às 11.30h a dizer que ia ter com a mãe e voltou a telefonar às 15.02h dizendo que ainda estava no cabeleireiro. Pelo meio, Pinto da Costa recebeu uma chamada às 12h05 para ir almoçar com dois amigos a um conhecido restaurante do Porto. Sendo assim, Pinto da Costa e Carolina só se encontraram ao final da tarde, já no Estádio das Antas, onde o FC Porto jogou com o Estrela.

RESULTADO: Com base no relatório dos peritos em arbitragem que não detectaram qualquer erro grave a assinalar ao árbitro, no falso depoimento de Carolina Salgado e no facto de nem ter sequer ficado provado que “JP” significava mesmo Jacinto Paixão, o juiz do Tribunal de Instrução Criminal do Porto, Artur Ribeiro, decidiu não levar o caso a julgamento.

SENTENÇA: Todos os arguidos foram ilibados e o caso arquivado.

(Baseado no livro "Apito Dourado - Toda a história", do jornalista Eugénio Queirós)

terça-feira, 29 de julho de 2008

Petit no Colónia

Petit rescindiu com o Benfica e vai jogar no Colónia, clube recém-promovido à Bundesliga. A custo zero. E os encarnados poupam dois milhões de euros, um por época.

Bem, agora parece que está na moda os jogadores sairem para clubes - que embora joguem noutras ligas - com menores aspirações. Petit sai do Benfica, um clube que luta para ser campeão, para o Colónia, um modesto clube alemão que luta para não descer. É certo que vai ganhar o dobro do dinheiro que ganhava na Luz, mas mesmo assim parece-me um passo atrás na carreira. Mas não é o único a fazê-lo.

Quanto a mim ainda vai fazer falta ao Benfica. Mas isso só o tempo o dirá.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Tour: o rescaldo


"Agora sim, o sonho de uma vida torna-se real." Foi esta a frase de Carlos Sastre após ter vencido o Tour de France 2008. Com 33 anos, o ciclista espanhol conseguiu finalmente vencer uma grande competição.
O sucesso de Carlos Sastre deve-se em muito à fantástica subida para o Alpe d'Huez, mas também ao apoio da sua equipa, a CSC. Uma equipa foi aquilo que faltou a Cadel Evans. O australiano da Silence-Lotto repetiu o segundo lugar de 2007. Foram, para mim, os melhores ciclistas em prova. A vitória ficava bem a qualquer um deles. Esteve melhor o espanhol.

KOHL, FREIRE, SCHLECK E CSC EM GRANDE

Mas o Tour não foi só Carlos Sastre e Cadel Evans. Houve mais destaques, muitos mais. Um desses destaques - pela positiva, claro - foi Bernhard Kohl. O ciclista da Gerolsteiner fez um Tour fantástico, conseguindo ser o 3º na classificação geral, tornado-se ainda no primeiro austríaco a ser o melhor trepador.
Depois Oscar Freire. O sprinter espanhol da Rabobank nunca tinha terminado o Tour. Mas este ano terminou. E conseguiu também arrecadar a camisola verde, dos pontos. O que nunca nenhum espanhol tinha conseguido. Ah, é bom lembrar que Freire tem uma lesão crónica na zona lombar.
Schleck. Não é Frank, mas Andy Schleck, o mais novo. Foi o grande protector de Carlos Sastre. Conseguiu a camisola da juventude. E ou muito me engano ou ainda vamos ouvir falar muito nele. Também Frank esteve em grande, tanto nos Pirinéus como nos Alpes e chegou a andar de amarelo.
Ainda Jens Voight. Com 38 anos, o ciclista alemão carregou a CSC e o pelotão na montanha. Foi graças a si e a Cancellara que Valverde ficou logo arrumado nos Pirinéus.

VALVERDE E MENCHOV: DÈJA VÙ!

Alejandro Valverde. Vou começar por aqui. O campeão espanhol foi, mais uma vez, uma desilusão. Apontado como super-favorito voltou a estar mal. Depois de ter prometido muito, ganhando logo a primeira etapa, Valverde perdeu cerca de 5 minutos nos Pirinéus o que o deixou desde logo arrumado. Dèja vù.
Outra desilusão foi Denis Menchov, também apontado como grande candidato à vitória final. Tentou atacar nos Alpes, mas caiu pouco tempo depois de sair do grupo. Mesmo assim não mostrou grandes argumentos para vencer. Nem o "crono" o safou.
Damiano Cunego foi outro que tal. Quebrou nos Pirinéus, quebrou nos Alpes. Acabou por desistir devido a uma queda. Embora fosse mais um outsider, foi outro dos derrotados.


DOPING DE RICCÒ; QUEDA DE PEREIRO

Tenho que destacar ainda Riccardo Riccò. Depois de uma subida sensacional e de duas vitórias nos Pirinéus, acusou doping. Sempre o doping a estragar tudo. Apontado como novo Pantani acabou despedido pela Saunier Duval, sem honra nem glória.
Oscar Pereiro, para terminar. O ciclista espanhol da Caisse d'Epargne sofreu uma queda brutal. Felizmente só fracturou o úmero do braço esquerdo. Perante a gravidade da queda, o vencedor do Tour de 2006 teve "mucha suerte".

Está feito o rescaldo do 95º Tour de France. Para o ano há mais!

FPF confirma parecer de Freitas do Amaral

A FPF invocou o interesse público (a fim de os campeonatos começarem nas datas marcadas) e adoptou o parecer de Diogo Freitas do Amaral. Sendo assim, é o Paços de Ferreira quem fica na Liga Sagres - o Boavista desce para a Liga Vitalis - e Pinto da Costa fica suspenso das funções de presidente do FC Porto durante 2 anos. Vão ser ainda contestadas as providências cautelares interpostas pelo presidente do CJ, Gonçalves Pereira e pelo Boavista.

Parece que finalmente está resolvida esta trapalhada. Parece...

domingo, 27 de julho de 2008

Tour: Carlos Sastre, o vencedor improvável

Carlos Sastre venceu o 95º Tour de France.
Grande surpresa! Pelo menos para mim. O ciclista da CSC fez um contra-relógio fantástico, perdendo apenas 29 segundos para o super-favorito Cadel Evans e conseguiu assim chegar a Paris de amarelo. Sim, mais uma vitória de um espanhol.

Aos 33 anos, Sastre conseguiu finalmente vencer uma grande prova por etapas. Olhando para trás, a chegada ao Alpe d'Huez, na 17ª etapa, foi o momento-chave deste Tour. Foi aí que Carlos Sastre alcançou a liderança que defendeu com unhas e dentes no "crono", onde Evans não teve pernas para recuperar da desvantagem de 1,34 minutos. Além de tudo, Sastre foi o único dos favoritos que atacou nos Alpes. Também por isso, é uma vitória justa.

Carlos Sastre concretizou "o sonho de uma vida" e tornou-se no sétimo espanhol a vencer o Tour, depois de Frederico Bahamontes, Luis Ocaña, Pedro Delgado, Miguel Indurain, Oscar Pereiro e Alberto Contador. Por isso bem pode agradecer à CSC. Principalmente a Andy Schleck e Jens Voigt.

CARLOS SASTRE CANDIL

Nascimento:
22/04/1975
Naturalidade:
El Barraco, perto de Leganes, Madrid
Altura:
1,73 m
Peso:
60 kg
Profissional desde:
1997
Equipas:
Once (de 1997 a 2001) e CSC (desde 2002)
Principais resultados:
Vencedor do Tour (2008)
Vencedor da clássica Primavera (2006)
Vencedor do prémio de montanha da Vuelta (2000)
2º na Vuelta (2005 e 2007)
4º na Vuelta (2006)
6º na Vuelta (2004)

João Moutinho: "Quero sair!"

Final do jogo Sporting - Blackburn, um amigável do Torneio do Guadiana. João Moutinho, capitão do Sporting chama os jornalistas. Para quê? Para dizer que quer abandonar Alvalade. Uma autêntica bomba...

"O Everton é o clube de que se fala, mas o Sporting não aceitou a proposta. O Sporting sabe a minha vontade e já a transmiti. A minha vontade, pelas razões que tenho é sair". Restam dúvidas? Acho que não.

Mas de uma coisa tenho a certeza: a revelação de Moutinho não caiu nada bem no Sporting. Paulo Bento nem o convocou para o amigável com o Benfica...

Sp. Braga passa na Intertoto

O Sp.Braga está na segunda pré-eliminatória da Taça UEFA, depois de eliminar o Sivasspor na Taça Intertoto. É caso para dizer que os turcos se viram gregos...

A equipa de Jorge Jesus deu um autêntico baile nesta equipa turca. Cinco secos. Primeiro ganhou fora por 2-0; depois ganhou 3-0, no Estádio AXA. Uma vitória - na eliminatória, bem-entendido - que não deixa dúvidas a ninguém.
As vitórias, mas principalmente as exibições, mostram que este Braga vai ser bem mais forte do que aquele do ano passado. Uma equipa com bons jogadores, com um colectivo forte e tacticamente perfeita. Mesmo à imagem de Jorge Jesus. Deixou boas indicações.

sábado, 26 de julho de 2008

Freitas do Amaral confirma decisões do CJ

As decisões do Conselho de Justiça da FPF foram correctas e os seus efeitos devem ser considerados válidos. É a esta a principal conclusão do parecer de Freitas do Amaral sobre a reunião - terá acontecido mesmo? - do CJ sobre o "Apito Final".

Gilberto Madaíl tinha pedido a Freitas do Amaral uma opinião sobre o caso. O professor de Direito aceitou e entregou o parecer. Então as decisões que os conselheiros tomaram sem o presidente são válidas ou não? Freitas do Amaral diz que sim. Ah, e arrasa por completo o presidente - ou ex-presidente, não sei - Gonçalves Pereira, acusando-o de abuso de poder.
Sendo assim, Pinto da Costa está suspenso dois anos; o Paços de Ferreira joga na Liga Sagres e o Boavista na Liga Vitalis.

Isto se o parecer de Freitas do Amaral for aceite pela FPF, é claro.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Hulk: o novo avançado do FC Porto

Hulk é o novo avançado do FC Porto. Não, não é aquele que se transforma num mostro verde quando se enerva. É Givanildo Vieira de Souza, - bem vistas as coisas acho que também preferia ser tratado por Hulk - um ponta-de-lança brasileiro que jogava no Tokyo Verdy do Japão.

Hulk é um jogador possante, robusto que tanto pode jogar no meio como descaído para as alas. Tem um remate fortíssimo e apesar de ser canhoto remata bem com os dois pés. Em 4 épocas na J-League marcou cerca de 70 golos. É um excelente registo, mas não sei se valerá o dinheiro que o FC Porto pagou por si. 5,5 milhões € por metade do seu passe é muita fruta.

Ah!! Hulk já jogou em Portugal. No Vilanovense, com 15 anos. E nessa altura dizia que um dia haveria de ser jogador... do FC Porto. E agora aí está ele.


Estou ansioso para ver o que vai sair daqui.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Tour: Carlos Sastre reina no Alpe d'Huez

A CSC continua o seu show. Lidera por equipas. Lidera na classificação geral individual. Depois de Frank Schleck, foi a vez de Carlos Sastre mostrar que está aí para as curvas.

Depois de ter anulado a fuga de Stefan Schumacher, Ruben Perez, Remy Di Gregorio e Peter Velits - apenas alançado na subida final - a CSC tinha como objectivo afastar alguns dos favoritos. Cadel Evans e Denis Menchov (voltou a perder tempo) eram os alvos. Mesmo que para isso fosse preciso sacrificar Frank Schleck, o camisola amarela. Assim foi.
Após um ataque fortíssimo, que me fez lembrar Riccardo Riccò nos Pirinéus, Carlos Sastre partiu sozinho para a meta onde chegou cerca de dois minutos primeiro do que o segundo classificado, Samuel Sanchez. E ficou com a camisola amarela, claro está.

Sastre, Evans ou Menchov. Quem ganha o Tour? Aposto no segundo!


GERAL INDIVUDUAL

1º Carlos Sastre (CSC) 74h39m03s

2º Frank Schleck (CSC) a 1.24'

3º Bernhard Kohl (Gerolsteiner) a 1.33'

4º Cadel Evans (Silence) a 1.34'

5º Denis Menchov (Rabobank) a 2.39'

6º C. Vande Velde (Garmin-Chipotle) a 4.41'

7º Alejandro Valverde (Caisse d'Epargne) a 5.35'

8º Samuel Sanchez (Euskaltel) a 5.52'

9º Tadej Valjavec (AG2R) a 8.10'

10º Vladimir Efimkin (AG2R) a 8.24'

RTP transmite Liga Sagres

A RTP vai voltar a transmitir os jogos da Liga Sagres em 2008-09 e 2009-10.
Como acontecia nos anos anteriores com a TVI, a SportTV transmite cinco jogos por jornada e detém os direitos televisivos e a RTP escolhe um jogo dos "grandes".

É o tal serviço público a funcionar. Mas parece que já estou a ouvir o Hélder Conduto a gritar: "E está lá dentroooo!!" e a dizer coisas do género: o médio Pedro que nasceu na Amoreira, jogou no Operário, depois foi para o Atlético. É algo que não interessa para nada num jogo de futebol e que torna o próprio jogo chato.

Preferia o Valdemar Duarte. De longe.

Loucura ou coragem?? Fanatismo!


Loucura dirão uns; coragem dirão outros. Eu acho que a palavra mais correcta é... fanatismo!

Aqui está um exemplo daquilo que é o verdadeiro adepto de futebol: apoia a sua equipa sempre sem ter receio de nada. Isto sim é um apaixonado pelo clube. Porque as vitórias começam nos adeptos.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

João Pinto: o fim do grande artista!

Ponto final. João Vieira Pinto encerrou a sua carreira de jogador de futebol.

Estreou-se na Liga a 29 de Janeiro de 1989, num Boavista - Sp. Braga. Curiosamente os dois clubes onde começou e acabou a carreira, respectivamente. Com apenas 17 anos.
Poucos meses depois da estreia, foi campeão mundial de juniores em Riade. Dois anos depois, desta vez em Lisboa, repetiu a dose.
Foi então que decidiu emigrar. Foi para o Atlético de Madrid mas as coisas não lhe correram bem e regressou ao Boavista. Ainda a tempo de ganhar uma Taça de Portugal. Estavamos em 1992 e foi então que João Pinto se transferiu para o Benfica, onde esteve até 2000, ano em que foi dispensado por Vale e Azevedo - onde raio é que o homem estava com a cabeça?. Era o fim do "menino de ouro" dos benfiquistas. Do homem que fez uma exibição estrondosa em Alvalade, na tal noite dos 6-3.
Mudou-se para o inimigo em 2002. Passou a ser o "grande artista" do Sporting. Foi o servidor de tantos e tantos golos de Jardel. Crucial nessa equipa de Böloni, que esteve no último campeonato ganho pelos leões.
Mas nem tudo corre bem na vida. No Mundial 2002, na Coreia, teve o momento mais negro da carreira: o murro ao árbitro Angel Sanchez. Acabava aqui a carreira de JVP na Selecção. Primeiro foi suspenso e depois não tornou a ser chamado. Contabilizou 81 internacionalizações.
Em 2004 regressou ao Bessa. Esteve dois anos no clube onde tudo começou. Depois rumou a Braga. Em Fevereiro deste ano rescindiu com os bracarenses e avisou que não voltaria a jogar em Portugal. Surgiram propostas para emigrar, mas João Pinto decidiu acabar a carreira. Fim de um jogador fantástico.

Os duelos - ou lá que era aquilo - com Paulinho Santos vão ficar marcados para sempre. E alguém ainda deve ter algumas marcas...

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Oscar Pereiro: nem Vuelta, nem Jogos


Brutal. Acho que é a palavra certa para descrever a queda de Oscar Pereiro. Impressionante mesmo...


O vencedor do Tour de 2006 - sim, depois da desqualificação de Floyd Landis por ter bebido umas coca-colas, como diria o major Valentim, mas o vencedor - caiu na descida do Col de Agnel. A estrada estava molhada, escorregadia o que ajudou à queda de Oscar Pereiro que embateu nos rails de protecção, passando-lhes por cima e caindo numa ravina. A vegetação acabou por amortecer a queda do ciclista espanhol que depois deslizou até à estrada. O pelotão parou e só retomou a corrida quando houve informações sobre o estado de Oscar Pereiro que esteve sempre consciente e foi transportado para o hospital de Cuneo. Acabou "apenas" por ter uma fractura no úmero do braço esquerdo e vai ser submetido a uma cirurgia.

"Suerte, mucha suerte", terá dito Pereiro.


PS: Não fazia ideia de que Oscar Pereiro tinha tantos fãs. Basta pesquisar na web. E eu sou um deles!

Tour: Schleck show

O Tour está no máximo. Na primeira etapa dos Alpes, os manos Schleck da CSC deram espectáculo... Mas não foram os únicos.

Os Schleck deram um autêntico show. Andy fez uma subida fantástica, que obrigou alguns candidatos a ficar para trás; Frank aproveitou a ajuda do irmão e ficou com a camisola amarela de Cadel Evans.
A passagem pelo Col d'Agnel, marcou a fuga que viria a discutir a tirada, mas ficaria assinalada, sobretudo, pela brutal queda de Oscar Pereiro, que lhe provocou fracturas no úmero do braço esquerdo. E teve muita sorte! O grande grupo, depois de esperar para ver o estado de Pereiro, retomou o ataque à última dificuldade do dia.

O ritmo imposto pela CSC - ou melhor, por Jens Voigt e Andy Schleck - fragmentou o pelotão em grupos, onde aparecerem os ataques dos candidatos. Denis Menchov, da Rabobank, foi um dos que tentou a sorte, mas caiu pouco tempo depois de tentar sair do grupo onde iam Evans, os dois Schleck e Sastre por exemplo. Ah! E onde também iam Alejandro Valverde, que esteve muito melhor do que nos Pirinéus, onde perdeu mais de cinco minutos para o líder e Bernard Kohl. Ninguém esperava ver este austríaco no grupo de candidatos, mas ele está aí para as curvas - ou para as subidas.

Cadel Evans, sozinho, era atacado por tudo e todos mas mesmo assim lá ia conseguindo impedir que os outros favoritos lhe ganhassem vantagem. O australiano bateu-se bem mas não é o Super-Homem. No fim foi Frank Schleck quem lançou o ataque, levando Sastre e Valverde na sua roda. O campeão luxemburguês foi mais forte e conseguiu sacar a amarela, perante a incapacidade de Evans em responder ao ataque.
Quanto à vitória da etapa - relegada para segundo plano devido às movimentações dos favoritos- coube a Simon Gerrans da Crédit Agricole, mais forte do que Egoi Martinez (Euskautel) e Danny Pate (Garmin).

GERAL INDIVIDUAL

1º Frank Schleck (CSC) 63h57m21s

2º Bernhard Kohl (Gerolsteiner) a 7''

3º Cadel Evans (Silence-Lotto) a 8''

4º Denis Menchov (Rabobank) a 38''

5º Christian Vande Velde (Garmin) a 39''

6º Carlos Sastre (CSC) a 49''

7º Kim Kirchen (Columbia) a 2.48'

8º Vladimir Efimkin (Ag2R) a 3.36'

9º Alejandro Valverde (C.Epargne) a 4.11'

10º Samuel Sanchez (Euskaltel) a 4.34'

domingo, 20 de julho de 2008

Il Speciale

Ele está de volta. José Mourinho já voltou ao activo. E já tem Itália aos seus pés...

Esteve no FC Porto e fez aquilo que toda a gente sabe. Depois revolucionou o futebol inglês. Acabou com os cavalheirismos e com o futebol eticamente correcto. Usou e abusou de "mind-games" e arranjou guerras com Wenger e Rafa Benítez, por exemplo. Com Mourinho, o futebol inglês - para mim o melhor - ganhou um novo espectáculo e passou a jogar-se também fora do campo. O "special one" ganhou tudo o que havia para ganhar.

Agora pelo Inter, acredito que irá tornar o futebol italiano - tipicamente chato e muito táctico - bem mais empolgante. O futebol precisa de Mourinho.

Eu já sou adepto do Inter.

sábado, 19 de julho de 2008

Apito Dourado: o fim!

Finalmente foi lida a sentença do Apito Dourado. No Tribunal de Gondomar, 14 dos 24 arguidos foram acusados.

Valentim Loureiro foi condenado a três anos e dois meses de prisão com pena suspensa por abuso de poder e prevaricação e ilibado do crime de corrupção.

José Luís Oliveira, ex-presidente do Gondomar Sport Clube e vice-presidente da Câmara de Gondomar, foi condenado a três anos de prisão, com pena suspensa, por 10 crimes de corrupção desportiva activa e 25 crimes de abuso de poder. Ilibado do crime de corrupção.

Pinto de Sousa, antigo presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, foi condenado a dois anos e três meses, suspensa por igual período, por 25 crimes de abuso de poder. Também ele foi ilibado de corrupção.

Francisco Tavares da Costa, vice-presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, foi condenado por 25 crimes de abuso de poder como cúmplice, a um ano e três meses de prisão, também suspensa.

A Luís Nunes da Silva, ex-vogal do Conselho de Arbitragem da FPF e irmão do então treinador do Gondomar, condenado pela prática, como autor, de dois crimes de corrupção desportiva activa e um crime de abuso de poder, foi-lhe aplicada pena de multa.

O tribunal condenou os árbitros Licínio Santos, Pedro Sanhudo, António Eustáquio, Jorge Saramago e João Pedro Macedo por terem beneficiado o Gondomar e, no caso do último o Sousense, contra as regras do jogo, com a expectativa de receberem boas classificações.

Licínio Santos foi condenado pela prática, como autor, de dois crimes de corrupção desportiva passiva a cinco meses de prisão, substituída por multa e fica impedido de exercer cargos ou funções desportivas pelo período de três anos.

Pedro Sanhudo foi condenado por três crimes de corrupção desportiva passiva e um crime de corrupção desportiva activa a nove meses de prisão substituída por multa e fica impedido de exercer cargos ou funções desportivas pelo período de três anos e seis meses.

António Eustáquio foi condenado por dois crimes de corrupção desportiva passiva a cinco meses de prisão substituída por multa e proibição de exercer cargos ou funções desportivas pelo período de 3 anos.

Jorge Saramago foi condenado por um crime de corrupção desportiva passiva a pena de três meses de prisão substituída por multa e a proibição de exercer cargos ou funções desportivas pelo período de 2 anos e 6 meses.

João Pedro Macedo condenado por três crimes de corrupção desportiva passiva a sete meses de prisão substituída por multa e proibição de exercer cargos ou funções desportivas pelo período de 3 anos.

Dez arguidos foram absolvidos: um deles é Castro Neves, vereador da câmara de Gondomar, ilibado de todos os 19 crimes de corrupção desportiva activa. O colectivo de juízes entendeu que o também director do Departamento de Futebol do Gondomar SC não tinha conhecimento "do acordo entre Pinto de Sousa e José Luís Oliveira a propósito da nomeação de árbitros para jogos do Gondomar".

Texto: maisfutebol (modificado)


sexta-feira, 18 de julho de 2008

Aí está Aimar


Pablo Aimar é jogador do Benfica! Finalmente.
Depois de quase um mês de negociações, com avanços e recuos, Rui Costa conseguiu. Sim, porque esta foi uma grande vitória do "Maestro". Foi graças a si e à sua persistência que Aimar se tornou jogador do Benfica.

Aimar é um grande jogador, mas as lesões têm-no atrapalhado. Agora, com 28 anos tem a oportunidade de recuperar o tempo perdido e voltar a ser o jogador que mostrou ser em Valencia. Por isso há sempre aquela expectativa para ver como se vai sair...Apesar de não ser Maradona, "El Mago" pode ser importante no Benfica.

Ficamos à espera!

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Doping! Sempre o doping...

Riccardo Riccò acusou doping. A notícia tem tanto de inesperado como de revoltante. Riccò, o autor daquela subida fantástica que deixou toda a gente para trás nos Pirinéus.

Eu não esperava. Sinceramente! Riccò era apontado como um forte candidato a vencer edições futuras do Tour - quem sabe se não seria mesmo este ano? - e agora deitou tudo às ortigas. O "novo Pantani" acusou EPO depois do contra-relógio, onde até esteve bem mal. A Saunier Duval, equipa de Riccardo Riccò decidiu abandonar o Tour. Logo no ano em que parecia bem encaminhada para ganhar qualquer coisa. É triste.

Não consigo perceber porquê que os ciclistas ainda usam doping. Não adianta. São sempre apanhados.

É revoltante!

terça-feira, 15 de julho de 2008

TAS dá razão ao FC Porto

A UEFA recusou os recursos de Benfica e Vitória de Guimarães e confirmou a presença do FC Porto na Liga dos Campeões 2008-09.
O Benfica vai recorrer - mais uma vez! - para a última instância e o Vitória só se pronuncia quando a UEFA divulgar os fundamentos da decisão.

Esta história de recursos e mais recursos já chateia. O FC Porto está na Champions e ponto final.

Tour: Cadel Evans finalmente

Cadel Evans, segundo classificado do Tour de 2007, conseguiu pela primeira vez na carreira vestir de amarelo. Num momento em que a corrida está empolgante e as etapas cada vez mais fantásticas.

A ofensiva da equipa dinamarquesa da CSC - que trabalho de Jens Voigt e Fabian Cancellara - a caminho do Hautacam, permitiu, em dia de feriado nacional, alcançar Remy Di Grégorio, até então o fugitivo do dia, tendo conseguido seis minutos de avanço no alto do Tourmalet (2115 m). O francês foi apanhado em plena ascensão do Hautacam, antes da arrancada de Schleck, que levou na sua roda os homens da Saunier Duval, Leonardo Piepoli e Cobo Acebo. A vitória sorriu a Piepoli, o "tenente" de Riccardo Riccò e que, aos 36 anos, ainda não tinha ganho qualquer etapa do Tour. Conforme Riccò tinha prometido!

De entre os candidatos, Alejandro Valverde praticamente arrumou as esperanças de vencer o Tour. O líder da Caisse d'Epargne voltou a quebrar na subida para o Tourmalet. Kim Kirchen, o anterior camisola amarela, resistiu sempre aos ataques da concorrência, até ao momento em que os homens da Saunier Duval impuseram o ritmo.
Damiano Cunego, à imagem de Valverde foi outra desilusão, bem como Oscar Pereiro. Mas também não percebo a estratégia da Caisse d'Epargne. Oscar Pereiro parece-me um cicilista bem mais consistente do que Valverde - principalmente na montanha - e não sei porquê que a equipa não aposta nele.

Agora Evans, Menchov, Sastre e Riccò são os favoritos. Digo eu.


GERAL INDIVUDUAL

1º Cadel Evans (Silence-Lotto) 42h29m09s

2º Frank Schleck (CSC) a 1''

3º Christian Vande Velde (Garmin) a 38''

4º Bernhard Kohl (Gerolsteiner) a 46''

5º Denis Menchov (Rabobank) a 57''

6º Carlos Sastre (CSC) a 1.28'

7º Kim Kirchen (Columbia) a 1.56'

8º Juan Cobo (Saunier Duval) a 2.10'

9º Riccardo Riccò (Saunier Duval) a 2.29'

10º Vladimir Efimkin (Ag2R) a 2.32'

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Tour: Espectáculo é com Riccò!

Sensacional! A vitória de Riccardo Riccò na 9ª etapa do Tour fez-me lembrar aqueles grande momentos do Tour. Fez-me lembrar grandes corredores como Armstrong ou Pantani. E acho que não foi só a mim.

A etapa que ligou Toulose a Bagnéres-de-Bigorre prometia fazer mossa no pelotão. Assim foi. A etapa começou com as habituais fugas. Sebastian Lang estava na frente da corrida e passou isolado no Col de Peyresourde. No pelotão, a Euskaltel-Euskadi impunha um ritmo forte na tentativa de diminuir a diferença para o ciclista alemão da Gerolsteiner.
Quando já se fazia a subida para a segunda montanha de primeira categoria, no Col d'Aspin, Riccardo Riccò deu um ar da sua graça e atacou no pelotão - ou no primeiro pelotão como quiserem. Oscar Pereiro, Schumacher e Menchov sairam logo na sua roda e conseguiram anular o ciclista italiano. Uns quilómetros mais à frente, Riccardo Riccò voltou a atacar. Um ritmo forte, intenso... Espectacular! O italiano da Saunier-Duval saiu como um foguete do pelotão, passou o grupo de perseguidores onde estavam Luis Léon Sanchez e David de la Fuente, por exemplo e encetou a perseguição a Lang. Com aquele ritmo nada nem ninguém poderiam para-lo. Pouco tempo depois, lá estava Sebastian Lang a ser ultrapassado pelo homem supersónico. Fantástico! Toda a gente ficou surpreendida com aquele ritmo.

A vitória na etapa foi claro de Riccardo Riccò. Em segundo chedou Vladimir Efimkin, vencedor da Volta a Portugal de 2005. Os principais candidatos - Kirchen, Evans, Menchov, Valverde e Pereiro - chegaram todos incluidos no mesmo grupo a 1.07 minutos do vencedor. Num grupo, onde também estava Damiano Cunego.

Destaque ainda para a queda de Cadel Evans logo no início da etapa. Mesmo assim, o ciclista australiano da Lotto. Veremos qual a importância da queda no desfecho final.

sábado, 12 de julho de 2008

Vítor Baía


O nome não deixa ninguém indiferente. Vítor Baía. Foram dezoito anos ao mais alto nível... Com sucessos e fracassos, naturalmente!

Tudo começou em Guimarães. Numa tarde de sol do dia 11 de Setembro de 1989 - este de boa memória. Mlynarczyck, o habitual titular, estava lesionado na clavícula; Zé Beto estava a contas com um processo disciplinar. O treinador, Quinito decidiu então chamar um júnior que já há algum tempo trabalhava com o plantel principal.
Um miúdo precocemente velho, disse depois o treinador, impressionado pela frieza e confiança que o guarda-redes tinha demonstrado. Vítor Baía crescera depressa. Mental e fisicamente. Ele que, quando ingressou no FC Porto - com apenas 14 anos - trazido pelo seu treinador do Académico de Leça deixou os dirigentes desconfiados pela sua baixa estatura. Mas o miúdo estava crescido e com apenas 18 anos ganhou a titularidade da baliza portista que só foi interrompida por motivos de força maior.

BARCELONA, REGRESSO, SCOLARI E A PERDA DA TITULARIDADE

O primeiro grande motivo foi a transferência para Barcelona, em 1996, depois de já ter ganho várias distinções e ter batido o recorde nacional (que ainda hoje se mantém) de inviolabilidade. Esteve 1192 minutos sem sofrer golos. Foi então que se transferiu para os blaugrana, juntamente com Bobby Robson e Mourinho, permitindo ao FC Porto um encaixe de 5,5 milhões €.

Em Espanha teve um primeira época de sonho, onde foi eleito o melhor guarda-redes da liga espanhola e uma época de pesadelo. Começou com uma lesão no joelho esquerdo (a primeira de muitas) e acabou com os conflitos com o treinador holandês Van Gaal que o tornaram suplente de Hesp e lhe abriram as portas da saída. Foi então que Baía decidiu regressar ao seu clube de sempre... Apesar de ter propostas de clubes como o AC Milan.

Nas Antas foi recebido de braços abertos. Numa altura em que os portistas não encontravam um guarda-redes que o pudesse substituir, Vítor Baía era mesmo a opção indicada para suceder a ele próprio.
Apesar de tudo, não foi assim tão simples. Acumulou lesões atrás de lesões e esteve praticamente dois anos parado. Mesmo assim conseguiu estar em grande nível no Euro'00. Voltou-se a lesionar, mas recuperou em cima da meta para o Mundial 2002. No último amigável antes da prova, fez uma exibição soberba contra a China e ganhou a titularidade a Ricardo - que tinha jogado a fase de apuramento juntamente com Quim. O Mundial correu mal a toda a gente e Baía acabou por pagar por isso, apesar de não ter sido tão culpado como quiseram fazer passar.
Depois do Mundial da Coreia-Japão só jogou mais uma vez pela Selecção, em Inglaterra, quando Agostinho Oliveira era o seleccionador. Chegou Scolari e Vítor Baía não mais foi convocado. O guarda-redes da "Geração de Ouro" foi excluído da Selecção sem nunca ninguém saber porquê. A não ser Scolari, é claro.

Porém, no FC Porto, Vítor Baía continuou a provar que era o melhor guarda-redes português. Depois de ultrapassado um processo disciplinar por problemas com Mourinho, teve as melhores épocas de sempre. Venceu uma Taça UEFA e uma Liga dos Campeões para juntar à Taça das Taças, ganha em Barcelona e tornar-se num dos dez jogadores que venceram as três competições europeias. Em 2003-04 foi considerado pela UEFA como o melhor guarda-redes da Europa. Em 2004-05 o melhor guarda-redes da SuperLiga, numa época em que teve exibições estrondosas. Mas continuava fora dos eleitos de Luiz Filipe Scolari!

Os anos de ouro de Baía chegaram ao fim, em Janeiro de 2006, quando um "frango" na Amadora levou Co Adriaanse a trocá-lo por Helton. Mesmo assim, e depois de encostado por Adriaanse, Baía voltou a brilhar: a 22 de Março de 2006, no desempate por penaltis contra o Sporting. O 99 defendeu o remate de João Moutinho e lançou o FC Porto para o Jamor. Onde mais tarde, Adriaanse viria a conquistar a dobradinha. Ironia do destino... ou talvez não!
Foi então que Vítor Baía mudou de funções. Deixou de ser aquele homem das defesas impossíveis e passou a ser o "suporte" do balneário azul-e-branco. Co Adriaanse, Helton e mais tarde Jesualdo Ferreira nunca se inibiram de lhe agradecer publicamente. Na última época como profissional, Baía jogou apenas 4 minutos, na festa do título, com o Aves. Entrou e o estádio quase que foi abaixo... O mesmo estádio que em cada cruzamento gritava: "Baíaaaa!!".

"O Baía" sempre foi o meu ídolo. E eu pude despedir-me dele aplaudindo de pé - assim como os outros 50 mil que estavam no estádio - aquando do seu último jogo para o campeonato. Também por isso não podia deixar de lhe dedicar um espaço no FUTEBOLÊS.

Obrigado, campeão!

Tour: de Sanchez para o irmão


Força, garra e raiva. Em três palavras se resume a vitória de Luis Léon Sanchez na sétima etapa do Tour. A vitória dedicado ao irmão Léon, vítima de acidente em 2005.
Uma etapa um pouco acidentada e marcada por várias desistências, entre as quais a do antigo campeão francês Cristophe Moreau e de Lilian Jégou, que sofreu traumatisma craniano e fractura no antebraço esquerdo.
Naquele que foi o dia mais emotivo do Tour de France 2008, houve diversas fugas, quase sempre controladas pela CSC, que liderava o pelotão. Quando Evans, Cancellara, os irmãos Schleck, Voigt, Valverde, Pereiro, Menchov, Freire, Riccò, Millar e VandeVelde se juntaram num grupo de 25 elementos, Damiano Cunego - voltou a perder bastante tempo - e a Lampre encetaram a perseguição.
Foi a vez de Luis Léon Sanchez, Josep Juffre, Nibali, David de la Fuente (novo líder da montanha) e Mikel Astarloza se tornarem protagonistas. Depois de andar meia centena de quilómetros em fuga e na parte final da tirada, Sanchez arrancou fortíssimo em direcção à meta, chegando com seis segundos de vantagem do pelotão então liderado por Stefan Schumacher. Kim Kirchen chegou incluído no pelotão, mantendo a amarela com 6 segundos de vantagem sobre Cadel Evans.

BELTRAN ACUSOU EPO

Na primeira etapa do Tour, o espanhol Manuel Beltran foi submetido a um controlo anti-doping, acusando positivo eritropoietina (EPO). Pierre Bordry, presidente da agência francesa de luta contra o doping confirmou-o: "O ciclista já foi informado dos resultados e dos seus direitos".

Beltran, de 37 anos e 18º no Tour de 2007 pela Liquigas, já fez as malinhas e fez-se à estrada.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Queiroz: de Manchester para a Selecção

Depois do reinado de cinco anos de Scolari chega a vez de um português reassumir a liderança da Selecção Portuguesa. Carlos Queiroz é o novo seleccionador nacional.

Queiroz é um treinador bem visto em Portugal, muito por aquilo que conseguiu com as selecções jovens - campeão do Mundo em 89 e 91 - mas também por ser durante alguns anos o braço direito de Sir Alex Ferguson no Manchester United. Mas, mesmo assim, há sempre aqueles desconfiados. Até porque, quando foi colocado à prova como treinador principal, descontando as selecções jovens de Portugal não conseguiu resultados brilhantes. Apenas para dar um exemplo, foi treinador do Real Madrid, mas regressou a Old Trafford para voltar ser adjunto de Ferguson apenas com uma Supertaça espanhola - no tempo dos galácticos.

Queiroz estava na pole-position para dentro de 3/4 anos suceder a Alex Ferguson. Mas preferiu regressar a Portugal. Boa sorte!

Carlos Queiroz: o novo seleccionador!

É oficial: Carlos Queiroz assinou um contrato com a Federação Portuguesa de Futebol válido por quatro anos. Ou seja, o ex-adjunto de Alex Ferguson no Manchester vai ser seleccionador até ao final do Euro 2012.

Fica o comunicado da FPF:

A Federação Portuguesa de Futebol tem o prazer de anunciar que o Professor Carlos Queiroz é o novo Seleccionador Nacional. O técnico português terá um contrato com a duração de quatro anos e será apresentado na quarta-feira, dia 16 de Julho, às 12h30, na sede do organismo que tutela o futebol em Portugal.

Gilberto Madaíl e Carlos Queiroz concretizaram o desejo mútuo de que o técnico português voltasse a trabalhar na FPF. Tal como os técnicos que o antecederam, Queiroz vai ser responsável pela Selecção Nacional – Clube Portugal e todas as outras Selecções jovens, nas quais teve um trajecto particularmente bem sucedido e marcante.

“O Professor Carlos Queiroz é, indiscutivelmente, uma referência de topo entre os técnicos portugueses e foi a minha primeira opção para ocupar o cargo de Seleccionador Nacional. Apesar de nunca ter trabalhado com ele, uma vez que ele já não estava na Federação quando eu cheguei, tenho acompanhado a sua carreira com muito interesse e creio que as experiências que adquiriu por todos os locais onde trabalhou serão importantes para que alcance os êxitos que todos pretendemos. Estou muito esperançado de que possa fazer um excelente trabalho, quer ao nível da Selecção A, nomeadamente com a qualificação para o Mundial 2010, quer ao nível das Selecções mais jovens, onde também tem provas dadas. Fizemos um esforço grande, até do ponto de vista financeiro, para trazer o Professor Carlos Queiroz de volta e vamos fazer tudo para que tenhas as melhores condições para desempenhar as tarefas para as quais foi contratado. Cabe-me reconhecer a atitude cooperante que o Manchester United teve desde o início deste processo.”, afirmou o Presidente da FPF, Gilberto Madaíl, ao Portal do Futebol.

Por seu turno, Carlos Queiroz, também não escondeu a alegria por regressar ao comando da “equipa de todos nós”. “Estou muito orgulhoso e honrado por poder voltar a servir o meu país. É um desafio muito especial e um cargo que qualquer profissional ambiciona. Desde que recebi o primeiro contacto e o Dr. Gilberto Madaíl me apresentou o projecto, mostrei-me receptivo a abraçar este grande desafio. Embora a Federação e eu próprio tenhamos evoluído bastante nestes últimos anos, ainda conheço suficientemente bem os cantos à casa para poder me integrar rapidamente e implementar a minha estratégia. Creio que temos condições para continuar a projectar uma excelente imagem do nosso país através dos bons desempenhos das Selecções Nacionais e, em particular, da Selecção Nacional A, cujo primeiro grande objectivo é a qualificação para o Mundial da África do Sul. Não podia também deixar de agradecer ao Manchester United pelo acordo estabelecido para que o meu regresso a Portugal se pudesse concretizar.”, disse o técnico.

A FPF aproveita para desmentir categoricamente que um ou vários dos patrocinadores da Selecção Nacional, bem como qualquer outra empresa ou instituição tenham participado financeiramente ou de outra forma no processo de contratação do Professor Carlos Queiroz.

Federação Portuguesa de Futebol, Carlos Queiroz e Manchester United foram as únicas partes envolvidas.


A mim parece-me uma boa escolha. Bem-vindo de volta, professor!

Madrid ou Manchester? Boa pergunta!

O caso já deu volta ao Mundo mas não há forma de desatar o nó. Ronaldo fica em Manchester ou vai para o Real Madrid? Ninguém sabe...

O caso está quente. O jogador português, ainda durante o Euro, anunciou decisões mas nada; Rámon Cálderon, presidente do Real, já deu as conversações - que pelos vistos nunca existiram! - por terminadas e disse que não pagaria 100 milhões de euros por ninguém; Alex Ferguson já ponderou demitir-se caso Cristiano Ronaldo saísse. Parecia um ponto final na conversa...
Mas agora com a entrevista do presidente da FIFA, Joseph Blatter em que falou de "escravatura moderna" no futebol a polémica reacendeu. Blatter disse que os interesses dos jogadores deviam ser levados em conta e que os clubes não deviam ter jogadores contrariados .Ronaldo disse que concordava a 100% com Blatter. E depois também aparece o presidente do Real a dizer que já tem um contrato assinado com o internacional português.

Ninguém os percebe!

Tour: Ricco final!

Ele prometeu. Ele cumpriu.
Depois de duas etapas em que perdeu algum tempo, Riccardo Riccò tinha dito que na montanha se ia mostrar. Dito e feito! O cilista italiano da Saunier-Duval venceu a 6ª etapa do Tour, um segundo à frente de Alejandro Valverde e Cadel Evans, naquela que foi a primeira oportunidade para os trepadores se evidenciarem.
Nota ainda mais importante para a queda de Stefan Schumacher a 300m da meta, que lhe retirou a possibilidade de manter a camisola amarela. Kim Kirchen agradeceu e é o novo líder do Tour. Eu já tinha falado nele...


PS: A imprensa já apelida Riccò como o novo Pantani. Será?

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Tour: Schumacher parecia um F1

Surpresa! Mais uma...
Stefan Schumacher, ciclista alemão da Gerolsteiner - não seria o dos carros, Michael? - venceu o contra-relógio de Cholet. Ah! E também ficou com a camisola amarela.
Qual Speedy González qual quê, Schumacher conseguiu um tempo fantástico: 35 minutos e 44 segundos para percorrer 29.5 quilómetros.

Relativamente aos candidatos à vitória final, Cadel Evans ganhou tempo a toda a gente, principalmete a Alejandro Valverde - não é nem de perto nem de longe um contra-relogista - que perdeu cerca de um minuto para o ciclista australiano da Lotto.
Riccardo Riccò (um dos outsiders) também não esteve bem no "crono" e voltou a perder algum tempo, à imagem do que tinha acontecido na véspera. Roman Feillu, o anterior camisola amarela fez um tempo péssimo. Ninguém no seu perfeito juízo o apontava como favorito mas terminar em 169º a quase 5 minutos do líder...

Destaque ainda para Kim Kirchen - atenção a este luxemburguês da Team Columbia - que teve uma excelente prestação e está aí para as curvas.

O Tour é feito de surpresas, por isso...

terça-feira, 8 de julho de 2008

Está aí a Liga Sagres


Está definido o calendário da Liga Sagres para 2008-09. É certo que ainda condicionado por causa do imbróglio do Conselho de Justiça em relação à participação de Boavista ou Paços de Ferreira na principal competição nacional. Mesmo assim, foram os axadrezados que apareceram no sorteio, se bem que marcados por um asterisco.

O sorteio ditou que os clássicos entre "grandes" se jogarão todos até à quinta jornada: logo na segunda jornada, há um Benfica-FC Porto na Luz; na quarta um Benfica-Sporting e na jornada seguinte é a vez dos tricampeões nacionais visitarem Alvalade para defrontarem o Sporting.

Isto promete!

Tour: à grande e à francesa!

À terceira etapa, os franceses tiveram motivos para festejar no Tour: Samuel Dumoulin (Cofidis) venceu a etapa e Roman Feillu (Agritubel) roubou a amarela a Valverde.

A fuga de Dumoulin, Frischkorn (Garmin), Borghini (Barloworld) e Feillu, lançada logo ao quilómetro dois, chegou a ganhar 14.50m ao pelotão. Num pelotão onde a Caisse d'Epargne - equipa do camisola amarela - pouco fazia para diminuir a distância. Por isso mesmo, a fuga vingou até ao fim, onde Samuel Dumoulin foi mais forte no "sprint" e bateu Frischkorn e Feillu, já depois de Paolo Borghini ter descolado do grupo da frente.

Na parte final da corrida, um golpe de teatro: uma queda, a cerca de 25 quilómetros da meta, fragmentou o pelotão em vários grupos. A formação belga da Quickstep levou o pelotão a alta velocidade, deixando os favoritos Riccardo Riccò e o russo Dennis Menchov para trás.

Um dia em grande para a França!

sábado, 5 de julho de 2008

Que grande confusão!

Eu desisto! Não percebo nada...
Como se já não bastasse a trapalhada que se tem vivido por causa da participação do FC Porto na Liga dos Campeões, até com a UEFA metida ao barulho, agora é a vez do Conselho de Justiça da FPF fazer das suas.


Mas vamos por partes: o CJ da FPF decidiu indeferir os recursos do Boavista e de Pinto da Costa. Ou seja, manteve a suspensão de dois anos ao presidente do FC Porto e a pena de descida de divisão aos axadrezados.
Até aqui nada de estranho. A não ser que estas decisões tenham sido tomadas... sem a presença do presidente. Ora vamos lá tentar explicar melhor: o presidente do CJ da FPF, Gonçalves Pereira, deu por terminada a reunião sem ter decidido coisa nenhuma, alegando não ter condições para continuar com a mesma. Tudo porque o presidente alegou incompatibilidade do vogal João Abreu, um dos sete membros do órgão. João Abreu é perito da FPF e, como tal, não poderia desempenhar simultaneamente as funções de juiz. Após analisar o pedido de escusa por incompatibilidade, o presidente do CJ deu provimento e ordenou que João Abreu abandonasse a reunião. O vogal não se conformou e criou-se algum mal-estar. Então o presidente deu a reunião por encerrada. A acta da reunião foi escrita e asinada pelo presidente e secretário - Gonçalves Pereira e João Leal, respectivamente.

A reunião estava então encerrada... Estava porque, algumas horas depois, os outros membros do CJ que restaram - cinco vogais - sem a presença de Gonçalves Pereira ou do vice decidiram tomar as decisões. E decidiram que o Boavista vai jogar na Liga Vitalis e que Pinto da Costa está suspenso durante dois anos... Ah! E também decidiram suspender o presidente Gonçalves Pereira, considerando a suspensão de João Abreu ilegal.

E agora é o presidente do CJ a dizer que as deliberações são ilegais, porque ele próprio já tinha encerrado a reunião.

Alguém consegue perceber isto? Eu, por muito que me esforce, não consigo...

Tour: Valverde amarelo


Alejandro Valverde, campeão nacional espanhol e um dos principais favoritos à "maillot jeune" final do Tour de France 2008, venceu a primeira etapa que ligou Brest a Plumelec. Surpresa! Não é normal os candidatos se mostraram nos primeiros dias. Mas, Valverde mandou a tradição às ortigas e após um sprint fantástico que deixou Kim Kirchen e Schumacher (não é o dos carros) sem hipóteses, venceu a primeira etapa. E já está de amarelo! Até combina com a bicicleta...


PS: Tenho pena que, este ano, não seja João Pedro Mendonça a fazer os comentários do Tour na RTP N. A dupla JPM-Marco Chagas era fantástica...

sexta-feira, 4 de julho de 2008

LDU vence Libertadores

Pela primeira vez, uma equipa equatoriana venceu a Taça Libertadores da América. A Liga Desportiva Universitária de Quito venceu o Fluminense após penaltis. Em pleno Maracanã!
A LDU tinha ganho na primeira mão, em Quito, por 4-2. Por isso, o Fluminense precisava de marcar três golos e não sofrer nenhum para ganhar, já que na
Libertadores não existe o critério de que quem marcar mais golos fora tem vantagem.

Logo aos cinco minutos, Bolaños gelou o Maracanã - com 90 mil pessoas! - e colocou a LDU em vantagem. A tarefa do Flu estava cada vez mais complicada, mas Thiago Neves (que jogo!!) tratou de a descomplicar com um hat trick: empatou o jogo aos 11 minutos; bisou 6 minutos depois e completou o brilharete aos 56 minutos num golo de livre directo.A eliminatória estava empatada... No prolongamento, os brasileiros atiraram-se para cima da Liga de Quito mas sempre sem resultados práticos.
Chegaram, então, os penaltis. Os malditos penaltis! Cevallos, guarda-redes da LDU foi o grande héroi ao defender três remates. Entre eles o de Thiago Neves. Talvez o único jogador que não merecia falhar. Por tudo aquilo que já havia feito...

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Começou a corrida ao tetra!

Ponto final nas férias. O FC Porto voltou hoje ao trabalho. Ainda sem o plantel totalmente definido, é certo, mas sempre com o pensamento em mais um título.

Sem Rodriguez e Lisandro - a gozar uns dias extra de férias por terem representado as respectivas selecções - as atracções foram os outros reforços já garantidos: Nelson Benítez, Tomás Costa e Rolando. Todos estes já trabalharam sob as ordens de Jesualdo.

Mariano González, não se apresentou, mas o FC Porto informou que se tratou de uma ausência autorizada.
Também não integraram ainda os trabalhos os internacionais portugueses que estiveram no Europeu: Nuno, Bruno Alves, Raul Meireles e Quaresma.

BRUNO GAMA E NÃO SÓ

Bruno Gama, que na época passada representou por empréstimo o Vitória de Setúbal, foi uma das novidades do primeiro dia, assim como os jovens Candeias e Tengarrinha chamados por Jesualdo para a pré-época. Alan e Fernando, foram outros dois jogadores que voltaram de empréstimo. Destaque para a ausência de Pitbull que fez uma época fantástica no Setúbal, mas não entra nas contas do FC Porto para a nova época.

Os tricampeões nacionais começaram a época a meio gás. Mas o mercado ainda tem muito para dar!

terça-feira, 1 de julho de 2008

Carlos Martins apresentado no Benfica

O Benfica apresentou Carlos Martins, por cinco anos. O médio português que na época passada esteve no Huelva, regressa assim a Portugal para representar o Benfica, isto apesar de ter sido formado no Sporting.
Aquando da apresentação, Rui Costa disse ver em Martins um excelente jogador e um possível sucessor do número 10.

Eu sinceramente não gosto de Carlos Martins... Mas vamos ver.

"Fruta" amarga!

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto decidiu não levar a julgamento Pinto da Costa no âmbito do processo Apito Dourado referente ao jogo entre o FC Porto e o Estrela da Amadora, assim como os co-arguidos Reinaldo Teles, o empresário António Araújo, e os árbitros Jacinto Paixão, Manuel Quadrado e José Chilrito, que também não foram pronunciados por Artur Ribeiro, juiz de instrução criminal. Em consequência desta decisão, foi aberto um inquérito-crime a Carolina Salgado por falsas declarações.

Recorde-se que a equipa de Maria José Morgado tinha considerado o testemunho de Carolina credível, avançando assim com o processo. Agora, fica-se a saber que Carolina Salgado mentiu, pois não pode ter presenciado o telefonema entre Pinto da Costa e o empresário António Araújo, acontecido por volta das 13h00. Tudo porque Carolina telefonou ao presidente do FC Porto às 11h30 (referiu que ia ter com a mãe) e às 15h02 (afirmou que ainda estava no cabeleireiro). Pelo meio, Pinto da Costa recebeu uma chamada às 12h05 para ir almoçar com dois amigos a um conhecido restaurante do Porto. Sendo assim, Pinto da Costa e Carolina só se encontraram ao final da tarde, já no Estádio das Antas, onde o FC Porto jogou com o Estrela. Ou seja, Carolina mentiu e meteu os pés pelas mãos!
Mesmo assim, o MP vai recorrer da decisão a fim de que Pinto da Costa seja condenado. E o FC Porto vai comunicar o caso ao Conselho de Justiça da Liga para este ser levado em conta na avaliação do recurso do "Apito Final".

E a luta continua...

FUTEBOLÊS © 2008 Template by Dicas Blogger.

TOPO